Saavedra Valentim

Manifestações da alma

Textos


EMOÇÕES
 
 
Como o mar, ora agitado, ora calmo, minhas emoções vêm em ondas.

E nenhuma é igual à anterior, pois tal uma digital, são únicas.

Às vezes começam pequenas, passando para uma vaga intensa,

Estourando numa rebentação ruidosa, espumante, frenética,

Até morrer na calmaria de uma areia branca, límpida, ofuscante,

Deixando sua marca delével, desenhos sinuosos, breves, até a próxima onda.

Embora eclodam viris, vigorosas, a maioria passa sem deixar estragos.

Mas existe o risco de tempestades, que abalam nossas estruturas.

Outras vezes surgem redemoinhos que nos sugam para o fundo, afogando-nos,

Sufocando-nos, como uma morte esperada; profusão de sombras,

Reflexos distorcidos, sentimentos difusos da alma, sem alvo nem direção!

Nestes momentos, clamo a ti, oh! Afrodite impiedosa resgata-me,

Conduz-me às águas calmas, sem turbulências, sem sofrimentos.

Trago cicatrizes mal formadas, feridas abertas, dores de infortúnios,

Fruto de amores inacabados, mal resolvidos, incompletos.

Sou ondas inevitáveis, tsunamis imprevisíveis, paz inatingível!

Amores...  Paixões... Como definir?

Coisas de poeta!
Saavedra Valentim
Enviado por Saavedra Valentim em 20/02/2012
Alterado em 27/07/2013
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras